(81) 3366-2414/ 2434 centralderelacionamento@compesaprev.com.br
(81) 3366-2414/ 2434 centralderelacionamento@compesaprev.com.br

Aumenta o número de casos de demência em países em desenvolvimento

Nas nações pobres e de renda média, são as doenças cardiovasculares que matam mais, enquanto, nas ricas, câncer é a principal causa de morte.

Dois levantamentos de interesse para os mais velhos foram divulgados no começo do mês. O International Research Network on Dementia Prevention, que trabalha com os fatores de risco e como prevenir a doença, alertou que o número de casos de demência vem crescendo a uma taxa de mais de 20% ao ano e a maioria deles ocorre nos países de renda média ou baixa. Para os pesquisadores, 30% dos casos de demência na velhice estão relacionados a fatores de risco que podem ser modificados, como obesidade, isolamento social, além de problemas relacionados ao sistema vascular, como diabetes e o vício de fumar. Mais recentemente, outros foram incorporados à lista: mau funcionamento dos rins, doença pulmonar obstrutiva crônica, distúrbios do sono e até poluição do ar – partículas em suspensão na atmosfera estão associadas ao aumento do risco cardiovascular.

De acordo com o estudo, em países como Brasil, Portugal e Moçambique, de 24% a 40% dos casos de demência estão relacionados a sete fatores de risco que podem ser modificados, a saber: falta de atividade física, hipertensão, obesidade, depressão, fumo, diabetes e baixa escolaridade. Se houvesse redução de 20% de cada fator de risco por década, em 2050 o Brasil teria reduzido em 16,2% o número de casos da enfermidade, enquanto esse índice seria de 12,9% em Moçambique e 19,5% em Portugal. Sem políticas públicas voltadas para a questão, dificilmente conseguiremos reverter o quadro.Leia mais.

 

Fonte: G1/Bem Estar