(81) 3366-2414/ 2434 centralderelacionamento@compesaprev.com.br
(81) 3366-2414/ 2434 centralderelacionamento@compesaprev.com.br

Você dorme, dorme e ainda se sente cansado? Veja as possíveis causas.

Dormir é um dos melhores recursos para recarregar nossas baterias, mas e quando isso não funciona? Muita gente, mesmo dormindo as 8 horas indicadas (ou até mais!), tem dificuldade em acordar revigorado no dia a seguinte. E isso pode se dever a diversos fatores. Confira a seguir alguns deles:

1. Você está com uma baixa qualidade de sono

Na maior parte dos casos acordar cansado significa que o sono da noite não ocorreu da forma como deveria. Para entender melhor, o sono é dividido em fases, que acontecem de forma ordenada, em ciclos que se repetem ao longo da noite. Em cada fase o cérebro comanda processos importantes para o metabolismo e até mesmo para a limpeza do órgão.

Se existem fatores que atrapalham o sono e fazem a pessoa acordar no meio dessas fases, o cérebro volta para o começo desse processo, o que atrapalha a qualidade do sono. Isso pode ocorrer com estímulos luminosos ou sons, por exemplo.

Uma questão é que muitas vezes esses despertares podem não ser percebidos pela pessoa, que é o acontece com quem tem apneia do sono, por exemplo: ocorrem pequenas paradas respiratórias em que o corpo desperta levemente para recuperar o ar, mas a pessoa não percebe. No entanto, você só deve se preocupar com as doenças do sono se o sintoma de acordar cansado for frequente e estiver acompanhado.

 

2. Você não respeita seu horário de sono

Quando o corpo está acostumado a dormir e acordar aproximadamente no mesmo período, ele começará a despertar no horário de costume. Porém, o cérebro estará com outra mensagem: continuar dormindo, especialmente se você estiver mais cansado do que de costume. Assim, a confusão está feita.

O corpo é programado para estar em alerta ou em sonolência em determinados períodos dentro das 24 horas do dia. Pela manhã o sol nasce e, então, o hormônio do sono diminui; já o hormônio do alerta, o cortisol, aumenta; em seguida, as células, musculatura, frequência cardíaca, temperatura do corpo, enfim, vários mecanismos são acionados, independente do nosso nosso estado, para que o corpo passe a funcionar e ocorra o despertar.

Dessa forma, se a pessoa está mais cansada e vai contra a corrente do corpo, continuando na cama, o cérebro tenta se manter dormindo para restabelecer o metabolismo, excretar certas substâncias e colocar em dia as tarefas que não foram realizadas no organismo na noite anterior. Mas isso gera um desequilíbrio, porque o corpo está programado para funcionar naquele horário. Essa ação do cérebro para manter o sono, ao mesmo tempo em que outras partes do corpo estão prontas para acordar, podem resultar em dor de cabeça, dor muscular, inércia de sono (sensação de acordar e não conseguir levantar), falta de força e energia. Isso tudo porque a janela de despertar foi ultrapassada.

3. Você dorme mais do que deveria

Ao dormir até mais tarde no final de semana, a fase de sono profunda se estende, e você pode acabar acordando bem no meio dela. Ao despertar, nossa atividade cerebral fica semelhante a esse estágio de sono profundo, ficando mais lentificada, o que pode dar a sensação de moleza, cansaço e até de estar levemente grogue.

Quanto dormir para se sentir descansado, afinal?

Bom, isso depende. No passado se imaginava a questão das 8 horas, mas atualmente o ideal é que cada pessoa tente encontrar a quantia de horas com a qual se sente bem. O que se sabe é que menos de 6 horas por noite é sinal de que estará faltando tempo de sono e mais do que 10 horas já foge do padrão, então é preciso investigar se existe algum fator que esteja afetando o sono e fazendo com que a pessoa precise dormir tanto. Vale destacar que essas horas são considerando só o tempo dormindo, não vale só ficar na cama acordado, ok?

E, naqueles dias em que estamos muito cansados os especialistas indicam que vale estender um pouco mais o o sono, mas não mudar o ritmo. Algumas pessoas, por exemplo, dormem a noite toda e acordam só a tarde, e isso vai prejudicar a próxima noite, uma vez que um dos principais comandos que gera sonolência e vontade de dormir é o tempo que passamos acordados”. De acordo com a especialista, quanto mais tempo acordado, mais o corpo sentirá que está se aproximando da hora de dormir. Portanto, estender uma hora a mais de sono pela manhã ou ir dormir uma hora mais cedo, além de cortar o cochilo da tarde, são ações que ajudam a gerar o equilíbrio no corpo novamente.

Vale ressaltar ainda que a preparação para uma boa noite de sono é fundamental. O nosso potencial de sono é determinado pelo pelo próprio organismo, mas nós podemos (e devemos) driblar algumas armadilhas modernas que acabam atrapalhando a percepção natural do corpo. Acabamos atrapalhando a evolução da própria fisiologia do nosso sono, principalmente com luminosidade perto da hora de dormir, telas, como celular, tablet e computador, que acabam inibindo a melatonina pela luminosidade e geram um pensamento mais acelerado, o consumo de substâncias energéticas em excesso, como o café, comer alimentos pesados à noite, cerca de duas a três horas antes de dormir. Também é importante ir se deitar quando estiver realmente com sono e evitar ir para a cama só por causa do horário.

Fonte: vivabem.uol.com.br