Atendimento telefônico Central de Relacionamento: (81) 3366.2418/ (81) 3366.2434.
Correio eletrônico: centralderelacionamento@compesaprev.com.br
Atendimento telefônico Central de Relacionamento: (81) 3366.2418/ (81) 3366.2434.
Correio eletrônico: centralderelacionamento@compesaprev.com.br

Falta de algodão, jeans e viscolycra faz roupas subirem de preço

A falta de produtos importados e a paralisação por causa da pandemia do coronavírus afetam os setores têxtil e de vestuário. A normalização das entregas só deve acontecer no ano que vem, e o preço das roupas pode subir ainda mais. A alta este ano no setor já chega a 13,66%. Enquanto isso, confecções lutam para tentar não repassar os custos totais aos consumidores.

 

O empresário Ricardo Fioravanti, dono de uma confecção em Serra Negra (SP), conta que desde a retomada das atividades, há aproximadamente três meses, tem dificuldade para colocar todas as máquinas de costura para trabalhar. É porque falta uma matéria-prima básica: tecido.

 

Os prazos de entrega chegam a 40 ou 50 dias, quando há produto. “A viscolycra e até o jeans, que eram itens de prateleira, agora não estão mais vindo. E, quando tem, os preços estão até 50% mais caros”, conta o proprietário da Malharia Serra Negra.

 

Em 40 anos de atividade, a empresa nunca enfrentou uma situação como essa. Segundo ele, produtos são feitos no Brasil não têm tido os mesmos atrasos.

 

China voltou a produzir mais cedo

 

O especialista em relações comerciais com a China e sócio da Mr. China, Claus Malamud, afirma que o país asiático, apesar de ser o segundo maior produtor de algodão do mundo (perde para Índia), acabou levando os estoques da matéria-prima que havia no Brasil.

Como a produção lá retornou antes da brasileira, e com a incerteza do que iria acontecer aqui no país, a venda foi o melhor negócio para os produtores.

 

“Hoje está sendo produzido metade ou 1/3 do usual para o período”, afirma.

 

A Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) aponta que a retomada “quase simultânea” das empresas provocou um gargalo nas matérias-primas.

 

Em nota enviada ao UOL, a Abit estima que, em até três meses, a situação deva estar normalizada.

 

Setor prejudicado e preços subindo

 

Edmundo Lima, diretor-executivo da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), diz que várias empresas em setembro já haviam encerrado a produção anual diante da falta de insumos, quando o normal seria novembro.

 

Os dois proprietários de confecção ouvidos pela reportagem não têm expectativas otimistas para os próximos meses. O impacto deve ser sentido já nas compras de fim de ano, e se estende até a coleção outono/inverno de 2021.

“Não tenho como arcar com todo o percentual de elevação dos preços, vou ter que aumentar”, afirma Ricardo Fioravante.

 

“A ideia é que o custo não seja repassado totalmente ao preço, mas sabemos que isso é difícil. Todos precisam sobreviver de alguma forma”, afirma Edmundo Lima.

 

 

Fonte: economia.uol.com.br

ENDEREÇO

Endereço Sede: Rua Augusto Rodrigues, 60 - Torreão, Recife - PE, Brasil - CEP.: 52.030-215

Ouvidoria: (81) 3366-2421

Atendimento presencial por agendamento:

Atendimento telefônico Central de Relacionamento: (81) 3366.2418/ (81) 3366.2434.

Encarregado de Proteção de Dados/DPO: Pitter Renato Tavares da Silva
Contato: dpo@compesaprev.com.br

Atendimento Sede: segunda a sexta

CNPJ: 12.585.261/0001-08